domingo, 5 de dezembro de 2010

O parto

Fartei-me de dizer que desta vez queria um parto programado. Não gosto muito de imprevistos sobretudo quando o Henrique esta envolvido e, neste sentido, preferia planear tudo com calma, deixar tudo organizado em casa e ir descansada ter a criança. O médico concordava, mas só a partir das 39 semanas. Quis o destino que as 38 semanas e 4 dias, numa consulta de referencia na MAC, uma medica simpática, ao tentar descolar-me a membrana, me rebentasse as aguas. E vai dai, já não pude sair dali, fiquei logo internada as 16 e picos do dia 25 Outubro. Fiquei chateada com a Sra. Dra., para não dizer outra coisa, porque para alem de não ter deixado muitas coisas organizadas, sabia que todo o processo ia ser muito mais demorado. O marido foi buscar o filho ao colégio, a mãe foi lá para case e eu instalei-me no quarto número 10. O marido trouxe o pc pois a espera adivinhava-se longa. Por volta das nove, depois de jantar, comecei a sentir as primeiras contracções. O soro milagroso veio umas duas horas depois e "bateu forte". As duas estava com 3 para 4 dedos de dilatação e as três ram-me a epidural. Fiquei no céu... Mas por pouco tempo. Antes das quatro já me contorcia novamente com dores e em 15 minutos estava a desesperar porque senti que a miúda ia mesmo sair. A equipa demorou mais tempo do que eu esperava, para mim demorou uma eternidade. As 4:32 nascia a Luisa, linda e a berrar imenso. Teve apgar 10 ao primeiro minuto.
As duas horas em que fiquei no recobro e em que ficamos os dois a admirar a nossa menina foram deliciosas. Há momentos que saboreei mais desta vez por já saber serem tão especiais, este foi um deles. Olhar para os olhos dos nossos filhos pela primeira vez, sentir-lhes o cheiro, a primeira vez que lhes damos de mamar... Aquelas duas primeiras horas são fantásticas.
No dia seguinte estava ansiosa com a chegada do Henrique. Por coincidência fiquei exactamente no mesmo quarto e na mesma cama de há dois anos atras. O Henrique chegou a dormir e deitei-o na cama. O meu bebe de há dois anos cresceu tanto tanto. Tive pela primeira vez a certeza de que já não e sim tão bebe, e um bebe-menino. Quando acordou perguntei se queria conhecer a Irma. Quando a viu soltou um "oh Luisa!", que e como quem diz "chegaste, já estas aqui!". Tudo correu melhor do que o esperado, pelo menos nos primeiros dias. No geral ressentiu-se um pouco, como seria de esperar, mas nada de anormal, acho. Mas este tema fica para outro post.
Os primeiros dias em casa foram passados a 4 como nos queríamos. Isso foi muito importante para nos. Desde aí a nossa vida tem sido uma roda viva. Confesso que não tinha previsto uma mudança tão brusca. Os meus fins de tarde, com os dois sozinha, são hilariantes. Aí vejo que tenho dois bebes. Mas nada que não se controle, contando muitas vezes ate 10. A calma e descontração que temos com um segundo filho fazem milagres na gestão das aventuras do dia a dia.
Enfim, ando de rastos mas feliz. Quer dizer, agora um pouco angustiada por ter uma bebe doente e o outro em casa. Mas também este desafio vamos ultrapassar com sucesso, mais cedo ou mais tarde. A minha menina e muito forte.

5 comentários:

Sara disse...

Eles têm mais fibra que nós e são muito mais fortes do que nós imaginamos, eu bem sei disso e logo aos 12 dias de vida da Inês. Não tarda está ela em casa como se não fosse nada com ela :).

p.s. Para mim o parto ideal é decididamente cesariana :))).

Beijinhos

Teresa Saraiva disse...

Parabéns princesa e muitas felicidades para todos. A Luísa vai melhorar e breve estarão todos juntos novamente.
Beijinhos

efilipe disse...

Tenho de dar os parabéns aos quatro. Mãe, pai, mano e bebé! É um engano querermos preparar tudo, há sempre alguma coisa que nos foge dos planos. E isso será mau?

Carla M disse...

que bonito!

Alice disse...

Que bom que tudo correu tão bem ... não tarda nada começa o meu filme :))

beijinhos