quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A minha experiência com o SNS

Factos:
- Quando há pouco mais de 5 anos alterei a minha residência e me inscrevi no Centro de Saúde a que pertenço actualmente, havia cerca de 3000 utentes sem médico de família, hoje há cerca de 7000 (de acordo com informações da fincionária da secretaria);
- Na gravidez do Henrique fui exclusivamente seguida no privado. Quando o médico me passou um atestado para ficar em casa, nos últimos 10 dias de gravidez, tive que enfrentar o caos que é ser doente sem médico e precisar de uma baixa para apresentar na Segurança Social.
- Todas as caras tortas que enfrentei na altura e todos os comentários do género "não são cá seguidas e depois vêm cá pedir as baixas" ou "eu não sou obrigada a passar baixa a uma doente que não acompanho", levaram-me a fazer a promessa de que, numa próxima gravidez, seria lá acompanhada desde a primeira consulta.
- Quando soube que estava grávida da Luísa, dirigi-me logo ao Centro de Saúde e foi-me marcada a primeira consulta para a médica que atende doentes sem médico para dali a quase 3 meses (tinha 13 semanas de gravidez).
- Tudo correu muito bem (uma consulta por mês sem atrasos, a médica fantástica, super atenciosa...) até a médica ter tido a infelicidade de partir o pé durante as suas férias em Julho.
- A minha última consulta foi no dia 2 de Agosto: fui atendida por outra médica que estava a fazer o favor de ver as análises das pacientes da colega que estava de baixa.
- Desde então não tive mais consultas, ninguém me sabe dizer quando ou se vou voltar a ser vista antes do final da gravidez porque não há médicos disponíveis; pedem-me para ligar a pedir informações, mas depois nunca têm informações novas.
Conclusão: Se não estivesse também a ser seguida no privado, estava em maus lençóis porque completo hoje 34 semanas de gravidez, sei que devo ser reencaminhada para a MAC a partir da semana 36/ 37 e não tenho a mínima ideia de quando vou voltar a ser vista por um médico daquele centro de saúde.
Eu digo que é deste tipo de incentivo à natalidade que nós precisamos, um SNS capaz de garantir uma boa assistência às grávidas.

5 comentários:

Sofia disse...

E agora faço-te a seguinte pergunta: reclamaste no livro amarelo?
Bjocas

Paula disse...

Sofia,

Só ainda não reclamei porque não tive tempo para ir lá tratar disso presencialmente, porque farei uma reclamação com certeza.

pedradababy disse...

Está muita coisa errada neste país. A questão da Natalidade é uma delas. O apelo à natalidade é constante mas depois não temos a assistÊncia médica necessária nem temos berçários para voltarmos ao trabalho, mal temos vagas na escolinha. De facto para ser pais neste país, temos que querer muito e arcar com tudo às costas porque o estado está longe de arcar com esse papel. É muito triste, e vÊ que há muitas pessoas que não podem mesmo ir para o particular.
Enfim... ainda bem que está tudo bem contigo e com a tua princesa. Posta uma foto da tua barriguinha e mais, conta-nos como o Henrique tem reagido à chegada da Luísa.
Beijo

Mónica Ávila disse...

Muda-te para o SRS - Açores. Nunca te falta nada. De 15 em 15 dias tens consulta altenando o especialista com o médico de família. Viva os Açores.
Viva a qualidade de vida.
Açores - o sítio ideal para se nascer.

efilipe disse...

Eu no meu caso, aqui no Seixal, nunca tive queixas do Centro de Saúde. Foram sempre muito atenciosos comigo durante a gravidez e agora também com o bebé. Gostei da maioria das enfermeiras, da minha médica que é uma querida e da médica que a substituiu nas férias. Mas conheço outras realidades menos "felizes" - recordo-me bem de quando pertencia ao C.S. de Sesimbra. Era um desespero de cada vez que lá tinha de ir. Agora aqui as coisas são muito rápidas, tenho sido muito bem seguida.
E concordo mesmo que faças queixa, é importante não apenas "falar" mas fazer algo para melhorar a situação e essa é a forma que temos de chamar a atenção para os problemas.
Bom fim-de-semana!!!